O Desenvolvimento da Criança e seus efeitos na Escola

Criança e seus efeitos na Escola 2

A aprendizagem escolar começa e vai se edificando desde o útero materno. Parece uma afirmação descabida mas é perfeitamente aplicável quando falamos e discutimos assuntos correlacionados aos processos de aquisição da aprendizagem infantil.

Desde o início da formação do cérebro nas primeiras semanas de vida, especialmente a partir do 4a mês de gestação, esta complexa estrutura vai se organizando e tomando forma sempre influenciada por mecanismos genéticos e fatores que aparecem do ambiente.

A estrutura cerebral é moldada em tempo e espaço respeitando uma programação herdada de seus pais e trazendo consigo informações (boas ou não) contidas nos genes materno e paterno. Este caminho será “asfaltado” e modificado pelas experiências (boas ou não) a que esta criança será submetida.

Genes de transtornos como TDAH, Esquizofrenia, Autismo, Transtorno Bipolar e Deficiência Intelectual podem ser transmitidos de geração em geração e afetar esta construção. Outrossim, crianças expostas a restrições nutricionais, maus tratos ou abusos e/ou carência afetiva crônica podem desviar o curso normal de um promissor desenvolvimento saudável.

Criança e seus efeitos na Escola

O Desenvolvimento da Criança e seus efeitos na Escola

Portanto, pais, cuidadores e professores: conhecer a história familiar, o histórico de vida e as aquisições do desenvolvimento neuropsicomotor da criança ainda na fase pré-escolar é muito importante! Mais que isto: vigiar e observar como anda o desenvolvimento e o comportamento da criança nos primeiros cinco anos de vida é conduta salutar para se evitar e prevenir dificuldades de aprendizado e de inadequação social ao ambiente escolar. Se a criança é prematura e frequentou a UTI ou nasceu com baixo peso a averiguação do desenvolvimento se torna ainda mais significativa.

Pesquisas embasadas em evidências científicas – tanto nacionais como internacionais – mostram que atrasos no desenvolvimento neurológico e psicológico da criança, caso não sejam precocemente identificados e prontamente corrigidos, podem aumentar significantemente o risco de insucesso na aprendizagem escolar. Tal aprendizagem depende, somado `a fatores culturais e sociais, do bom desenvolvimento de percepções visuo-auditivas, habilidades motoras, de linguagem, de coordenação espacial , de auto-regulação emocional e, enfim, de processos cognitivos bem integrados para que cada função atue harmoniosamente no constructo final da aprendizagem escolar que é a memorização consolidada dos conteúdos e o bom compartilhamento de suas experiências com seus professores e colegas de classe.

Ao não se adquirir ou perder a consolidação de uma determinada fase de desenvolvimento, a criança está sendo privada de uma etapa que seria fundamental para alicerçar uma outra etapa mais complexa. Cada etapa serve como pré-requisito para a seguinte. Um exemplo claro é o atraso de fala na criança. Sua presença deve ser prontamente investigada e deve-se intervir precocemente pois seu atraso ou a má estruturação da mesma vai incidir negativamente, mais tarde, nos processos de aprendizagem de leitura e escrita. Jamais deve-se esperar para ver se vai “desbloquear” a fala ou se vai dar o famoso “click”.